Catarata

 P: O que é catarata? O olho humano possui em seualt interior uma pequena lente chamada cristalino,que serve, como nas máquinas fotográficas, para focalizar as imagens que vemos.

 Com o passar dos ano s o cristalino, inicialmente bem transparente, sofre um processo de embaçamento e é esse embaçamento que recebe o nome de catarata. Catarata, portanto, não é uma doença, nem “pelinha” nem crescimento de qualquer natureza. É simplesmente uma alteração que ocorre numa parte do olho que já existe.

 

P: Catarata é comum?
R:
Sim, cataratas são tão comuns que praticamente todo mundo que viver bastante desenvolverá catarata como parte natural do processo de envelhecimento.

P: Uma pessoa só tem catarata quando não enxerga mais nada?
R:
Não. Como catarata é uma turvação que vai surgindo aos poucos, os sintomas também variam muito. Começa com sintomas leves: parece que as lentes dos óculos estão embaçadas, os faróis dos carros à noite apresentam reflexos, o grau dos óculos de repente começa a mudar, etc.. E progride até chegar a um ponto onde a pessoa mal consegue enxergar sua mão se movimentando em frente ao rosto.

P: Catarata manifesta-se somente em pessoas idosas?
R:
Não, os tipos mais comuns de cataratas desenvolvem-se como parte do processo de envelhecimento, mas elas podem surgir em qualquer tempo da vida.

P: O que causa catarata?
R:
A forma mais comum de catarata, que é a relacionada com a idade, é causada por alterações naturais que ocorrem no olho pelo processo de envelhecimento. Inflamações oculares de longa duração e cirurgias repetidas podem levar à formação de catarata. Traumas sérios ao olho, como impactos fortes e cortes profundos, também podem precipitar o aparecimento de catarata, chamada então de traumática. Alguns medicamentos, mesmo tomados por boca, podem afetar o cristalino humano e desenvolver catarata: o exemplo mais comum é a cortisona. Algumas doenças do corpo agridem o olho humano e podem formar catarata, como, por exemplo, o diabetes e a artrite reumatóide. Também exposição excessiva ou errada à luz ultravioleta, certas radiações, substâncias químicas tóxicas podem trazer essa turvação ao cristalino.

P: O que pode ser feito para evitar o aparecimento da catarata?
R:
Na maioria dos casos, pouco pode ser feito. Não se conhece meio eficaz para prevenir a catarata na idade avançada. Tratar corretamente as doenças oculares que podem desenvolver catarata e o uso de óculos de proteção nos locais de trabalho onde há risco de trauma são hábitos que podem auxiliar na prevenção do problema. O uso de medicamentos sem orientação médica tais como colírios e medicamentos à base de cortisona por tempo prolongado, contribuirá para o aparecimento de turvação no cristalino.

Perguntas a respeito da Cirurgia da Catarata

P: Durante a cirurgia o meu olho é retirado?
R:
Não, o olho é deixado em sua posição normal. Um delicado instrumento cirúrgico mantém o olho aberto, evitando assim que o piscar interfira no trabalho do cirurgião.

P: É usado laser para remover uma catarata?
R:
A técnica mais utilizada no mundo para remoção da catarata é o ultra-som. Os lasers são usados em Oftalmologia em cirurgias de glaucoma, retina e para correção de miopia.

P: Como o Cirurgião remove a catarata de meu olho?
R:
Para remover a catarata é feita uma incisão de 2,7 milímetros na córnea (parte transparente do olho) e instrumentos especiais são usados para extrair a catarata através desta incisão. A técnica mais avançada usa uma ponta com vibração ultra-sônica que fragmenta e aspira os tecidos embaçados através dessa incisão. Esse método chama-se faco-emulsificação com micro-incisão e é o método usado no Instituto Oftalmológico de Piracicaba.

P: Minha catarata tem que estar “madura” antes de ser removida do meu olho?
R:
Não com as técnicas modernas. Pelos métodos antigos a catarata era removida através de uma incisão bem grande, e em um único pedaço. Para que isso ocorresse com sucesso era preciso que o centro da catarata estivesse bem duro, e para isso era preciso esperar ela ficar “madura”. Com os métodos modernos indica-se a remoção da catarata assim que ela começa a interferir nas atividades diárias da pessoa.

Perguntas a respeito de Lente Intra-ocular

P: Por que a cirurgia moderna da catarata utiliza de rotina uma lente intra-ocular?
R:
Como já foi mencionado, catarata é o embaçamento da lente natural do olho, chamada cristalino e que vale mais ou menos 20 graus. Ela é removida durante a cirurgia da catarata e em seu lugar há necessidade de colocar outra para que o olho possa focalizar a imagem e ver claramente. Se não for colocada a lente intra-ocular, a única maneira de enxergar razoavelmente é mediante o uso de óculos bem grossos, como usaram nossos parentes operados antigamente.

P: Essa lente intra-ocular pode ser rejeitada pelo meu olho?
R:
Não. Elas são fabricadas em material especial inerte, que não sofre rejeição por parte do olho humano.

P: Existem diferentes tipos de lente intra-ocular?
R:
Sim. Mas a lente mais utilizada no mundo na atualidade é a confeccionada em material acrílico dobrável. O IOP adotou esse modelo em suas cirurgias, pois o fato de poder ser dobrada permite que seja colocada dentro do olho através de micro-incisão de 2,7 milímetros sem necessidade de pontos; assim sendo é possível uma volta mais rápida às atividades normais. Existem outros materiais e tipos de lente intra-ocular, como as de silicone, as lentes rígidas, etc., mas nenhuma oferece a mesma qualidade ótica do acrílico.

P: Existe lente intra-ocular multifocal, que possibilite ver de longe e de perto sem o uso de óculos?
R:
Sim. É a última palavra em lente intra-ocular (veja detalhes no site http://www.acrysof.com.br/restor/index.asp). O Instituto Oftalmológico de Piracicaba é uma das poucas clínicas oftalmológicas do País creditadas para utilizar essa tecnologia.

P: A lente intra-ocular permanece em seu lugar para sempre?
R:
Numa cirurgia sem intercorrências, na qual a lente intra-ocular foi colocada no exato local de onde se removeu a catarata, pode-se dizer que é praticamente impossível uma lente intra-ocular sair de sua posição. Em raras situações, em olhos que apresentem depois outros problemas, isso pode ocorrer, mas uma nova cirurgia pode corrigir o problema.

P: A lente intra-ocular precisa ser limpa ou trocada a cada tempo?
R:
Não, lentes intra-oculares são desenhadas para permanecer em posição para sempre, sem necessitar nenhuma manutenção. Em raríssimas situações uma lente intra-ocular terá que ser removida ou trocada.

Perguntas a respeito do ato cirúrgico

P: Por quê tantos exames nos meus olhos antes da cirurgia?
R:
Exames pré-operatórios são necessários para certificar das reais possibilidades que o paciente tem de recuperar sua visão. A cirurgia da catarata recupera a visão perdida pelo embaçamento do cristalino, mas não aquela que foi prejudicada por doenças do fundo do olho (degeneração da retina pela idade – muito comum), pressão ocular alta (glaucoma), etc.. Esses exames visam afastar essas outras causas de diminuição visual. Daí a importância do exame de fundo de olho (dos dois olhos, com pupila dilatada), do exame de Lotmar (PAM) e de uma biometria precisa, para avaliar o grau correto da lente intra-ocular para aquele olho.

P: Preciso fazer exames de sangue antes de operar?
R:
Sim, é uma rotina do IOP solicitar que os pacientes que serão submetidos à cirurgia de catarata tenham suas funções vitais avaliadas. São solicitados exames de sangue e uma consulta a Colega Clínico, que deverá enviar de volta ao IOP, por escrito, uma autorização de que o paciente está apto para a cirurgia proposta.

P: A minha operação será realizada em Hospital ou no IOP?
R:
Desde meados de 1994 que os Médicos do IOP operam todos os seus pacientes no Centro Cirúrgico do Instituto. Planejado, construído e equipado com essa finalidade, mais de 9.000 cirurgias já foram realizadas nesse período. Controle rigoroso permitiu que não fosse registrado nenhum caso de infecção hospitalar.

P: Que tipo de anestesia será usada na minha cirurgia?
R:
O IOP conta com a colaboração de Colegas Anestesistas, especializados na anestesia ocular. A anestesia utilizada em quase 100% das cirurgias é a anestesia tópica, onde apenas colírio de anestésico é utilizado. Muito raramente, quando se antevê tempo de cirurgia mais longo, como ocorre nas cataratas muito endurecidas, é utilizado bloqueio parabulbar, que consiste numa pequena injeção de anestésico ao lado do globo ocular. O paciente permanece consciente durante toda a cirurgia. Os Anestesistas do IOP já fizeram tantas anestesias que muito pouco, quase nenhum, desconforto é sentido durante a mesma. São também responsáveis pelo controle clínico cuidadoso do paciente durante toda a cirurgia: eletrocardiograma, oxigenação do sangue e pressão arterial são algum dos itens que acompanham minuto a minuto como rotina e em todos os pacientes.

P: Estou tenso com a minha cirurgia da catarata. Vou receber calmante?
R:
Calmantes estão disponíveis, mas raramente os pacientes operados no IOP necessitam algo mais potente. O Instituto Oftalmológico de Piracicaba tem como filosofia juntar o que existe de mais moderno em tecnologia com o carinho e atenção ao seu doente. Procura estimular da maneira mais aberta possível perguntas por parte dos pacientes, fornecendo informações precisas. É nesse ambiente de confiança mútua que a cirurgia é realizada, e o paciente sente que nada tem a temer. Sem o receio, é fácil permanecer calmo durante a cirurgia.

P: Vou sentir dor na cirurgia da catarata?
R:
Não, o olho estará totalmente anestesiado

P: Quanto tempo leva a cirurgia?
R:
Aproximadamente 15 minutos na maioria dos casos. Incluindo a preparação do paciente antes da cirurgia e um lanche breve após a mesma, o paciente permanece uma hora e meia no IOP no dia da cirurgia.

P: Vou ficar amarrada para não mexer durante a cirurgia?
R:
Não. O paciente estará deitado confortavelmente. Um soro é ligado numa veia de uma das mãos apenas por precaução; para evitar que essa mão por descuido se movimente elas são envolvidas por um laço de pano muito frouxo, para servir apenas como lembrete.

P: Vou sentir falta de ar durante a cirurgia?
R:
Não. Panos estéreis são colocados em volta da cabeça do paciente, mas uma proteção plástica impede que qualquer um deles fique junto ao nariz ou boca. Oxigênio puro ventila continuamente sob essa proteção plástica. Nenhuma sensação de falta de ar é sentida durante a cirurgia.

P: Posso operar se estiver com resfriado forte ou gripe?
R:
Não. A cirurgia da catarata não é uma cirurgia de urgência, pode aguardar um momento em que o paciente esteja em suas melhores condições. O IOP apenas solicita que o paciente entre em contato assim que notar que está doente para que uma nova data possa ser agendada.

Perguntas a respeito do período pós-cirúrgico

P: De volta para casa, vou sentir dor após cessar o efeito da anestesia?
R:
A anestesia dura aproximadamente 2 horas, portanto o paciente já estará em sua residência. O Serviço de Anestesia receita de rotina analgésicos e antiinflamatórios para serem tomados a intervalos certos ou se necessário. O máximo de desconforto que nossos pacientes têm relatado é uma sensação de que “o olho existe” e às vezes uma sensação de cisco, principalmente se movimentam muito o outro olho.

P: Por quantos dias deverei usar tampão após minha cirurgia da catarata?
R:
Com o advento da anestesia tópica, que utiliza apenas colírio de anestésico, o paciente termina a cirurgia já enxergando com o olho operado. Não é utilizado tampão, apenas uma concha plástica transparente como proteção. Deverá usa-la nas primeiras horas após a cirurgia e durante as horas em que estiver dormindo, pelo período de uma semana.

P: Como é minha recuperação visual após a cirurgia da catarata com implantação de lente intra-ocular?
R:
Rápida. No dia seguinte a visão para longe já é melhor do que antes da cirurgia e muitas vezes já é melhor do que o outro olho, que freqüentemente apresenta também algum estágio de catarata. E essa visão tende a melhorar ao longo dos dias seguintes. Não se espera dor no pós-operatório, mas é freqüente uma leve sensação de cisco por alguns dias, na parte superior do olho. A visão para leitura será boa somente após prescrição de óculos para leitura, que o Médico fará assim que se certificar de que as medidas do olho já se estabilizaram. Se o paciente optou pela implantação de lente multifocal, também a visão de perto já será melhor no dia seguinte do que antes da cirurgia.

P: Quando eu tenho que retirar os pontos da cirurgia?
R:
A cirurgia moderna da catarata é feita, na grande maioria dos casos, sem qualquer ponto e, portanto, não há o que remover. Em casos excepcionais utilizam-se 1 ou 2 pontos de fio de Nylon muito fino, que são recobertos pela conjuntiva, membrana externa do olho. Ficam, portanto, ocultos e não necessitam remoção. Sua presença não trás qualquer desconforto.

P: Como ficarão meus óculos atuais após a cirurgia?
R:
Cálculos são feitos antes da cirurgia para que a lente intra-ocular dispense o uso de óculos para longe. Haverá necessidade de usar óculos para leitura, a menos que o paciente opte por lente intra-ocular multifocal.

P: Como será minha volta às atividades após a cirurgia?
R:
Atividades regulares, sem esforço físico intenso, podem ser exercidas a partir do dia seguinte. Aquelas que envolvem esforço físico maior requerem abstenção dos mesmos pelo período de 3 semanas. Abaixar a cabeça mais baixo que a cintura deve ser evitado por três dias.

P: Catarata volta?
R:
Não. Uma vez removido o cristalino, é impossível voltar a catarata.

P: Ouvi dizer que alguns pacientes necessitam aplicar laser no olho operado tempos depois da cirurgia. Por quê?
R:
A moderna cirurgia da catarata consiste em remover as partes embaçadas da lente natural do olho (cristalino), deixando sua membrana posterior que vai servir de suporte para a nova lente intra-ocular. É essa membrana posterior que meses após a cirurgia pode apresentar um espessamento, diminuindo a visão do paciente. Se esse embaçamento ocorre não é motivo de preocupação, pois uma rápida sessão de laser, chamado YAG-laser, cria uma abertura nessa membrana, com recuperação instantânea da visão. Não é necessária nova cirurgia.

P: Tenho catarata no outro olho. Quando posso operá-lo?
R:
Varia de caso para caso. Nunca são operados os dois olhos ao mesmo tempo. Se a visão do outro olho já está prejudicada, a cirurgia pode ser marcada nas semanas seguintes ao primeiro olho. Se a visão do outro olho ainda é razoável, o paciente pode aguardar até o momento em que ela progredir e prejudicar sua visão.

 

Rua Luiz Razera, 450 - Piracicaba, SP - CEP 13.417-530 - Fone: (19) 3426-3232 Fax: (19) 3426-1174 iop@iop.med.br